A QUALIDADE DE VIDA PERCEBIDA POR ADULTOS PRATICANTES DO JIU-JITSU BRASILEIRO

Magno Mota Vieira, Alessandro Souza Santana, Rômulo Meira Reis, Felipe da Silva Triani

Resumo


O objetivo do texto foi avaliar o nível de qualidade de vida de praticantes de jiu-jítsu brasileiro. A fim de atender ao objetivo proposto foi realizada uma pesquisa de campo com abordagem qualitativa, na qual participaram 30 pessoas do sexo masculino, com idade entre 22 e 55 anos a partir do preenchimento do questionário SF-36. Os resultados indicaram os seguintes níveis: 58% para os aspectos mentais; 70% para os emocionais; 53% para a vitalidade; 48% para o estado geral de saúde; 34% em relação a dor; 68% no que tange aos aspectos físicos; e 94% para a capacidade funcional. O estudo sugere que os praticantes avaliados estão dentro dos parâmetros de média quando comparados a outros estudos com outras modalidades.


Texto completo:

PDF

Referências


BRUNI, M. R. C.; SIQUEIRA, S. Z.; WELLINGTON, L. A importância da qualidade de vida em ambientes de confinamento. Gestão contemporânea. Vol. 2. Edição 1. 2012

CARLESS, D.; DOUGLAS, K. Narrative, identity and mental health: How men with serious mental illness re-story their lives through sport and exercise. Psychology of Sport and Exercise. Vol. 9. Edição 5. 2008

CARLESS, D.; DOUGLAS, K. - Social Support for and Through Exercise and Sport in a Sample of Men with Serious Mental Illness. Issues in Mental Health Nursing. Vol. 29. Edição 11. 2008

FIGUEIRÓ, J. A. B.; ANGELOTTI, G.; PIMENTA, C. A. M. Dor e Saúde Mental - 1ª edição – Editora Atheneu. 2004

GUISELINE, M. Integração do Corpo: Fundamentos Teóricos e Exercícios Práticos. Editora Manoele. 1ª edição. 2001

HATTORI, A. A.; LIMA, A. S. E.; FERNANDES, L. Contribuição do jiu-jitsu no desenvolvimento motor de crianças na faixa etária de 8 anos. Revista Digital. Buenos Aires, Ano 20, Nº 209. 2015.

MEYER, F. A. S. Analise da agressividade de lutadores de jiu-jitsu de uma academia da Cidade de Curitiba. Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Tuiuti do Paraná. 2005

MORGAM A. J.; JORM, A. F. Self-help interventions for depressive disorders and depressive symptoms: a systematic review. Annals of General Psychiatry. Vol. 7. Edição 13. 2008

OLIVEIRA, K. M. S.; FILHO, I.S.; SANTOS L. B. F.; BRITO C. J. Alongamento estático e facilitação neuromuscular proprioceptiva não afetam o desempenho de força máxima em lutadores de brazilian jiu-jítsu. Arquivo de Ciência do Esporte. V 2. Nº 1. 2014.

PACHECO, C. C.K. Motivação no jiu-jitsu. Monografia (Bacharelado em Educação Física) Faculdade de Educação Física, Universidade Rio Grande do Sul. 2010.

SCHULER, S. Judô e Jiu-jitsu e o desenvolvimento integral de crianças em séries escolares. Educación Física y Deportes 2007.

SEVERINO. A. J. Metodologia do trabalho científico. – 23 ed. Ver. E atual, - São Paulo: Cortez, 2007.

VIDEBECK, S. L. Enfermagem em Saúde Mental e Psiquiatria. Artmed. Edição 5. 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2020 Magno Mota Vieira, Alessandro Souza Santana, Rômulo Meira Reis, Felipe da Silva Triani

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia