CAMINHOS DA CAPOEIRA NO BRASIL IMPERIAL: UM ENSAIO BIBLIOGRÁFICO

Rômulo Meira Reis, Matheus Ferreira Pratas, Silvio de Cassio Costa Telles

Resumo


Este ensaio tem como objetivo geral desenvolver um caminho percorrido pela capoeira na sociedade imperial, compondo um percurso que considera aspectos históricos, sociais e culturais, revelando a capoeira como integrante enraizado da sociedade em sua prática e ações. Usamos o método da pesquisa bibliográfica, de posse dos dados coletados e analisados, realizamos a estruturação da seção análise e discussão dos dados explorando os caminhos da capoeira na sociedade imperial (1808-1890). Assim os resultados revelam como a capoeira se organizava na sociedade, sua presença no cotidiano, as composições e mudanças étnicas/sociais, cujo perfil transnacional, cosmopolita, de resistência negra e das classes mais baixas apresenta-se. Sendo notória a participação da capoeira na política e em movimentos sociais de rua. Com isso, acreditamos que tal conjuntura tenha influenciado diretamente para o aparecimento das discussões para criminalizar a capoeira que ocorreu com a instalação da República.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Paulo. C. de. Capoeira: um nome – uma origem. Juiz de Fora, MG: Notas & Letras – Livraria & Editora, 2005.

BRASIL. Decreto nº 847, de 11 de outubro de 1890.

BARBOSA, G. Uma possível “simbiose”: vadios e capoeira em Alagoas (1878-1911). 129f. Dissertação de mestrado. UFAL, PPH, Maceió, 2017.

BRETAS, M. L. A queda do império da navalha e da rasteira (a República e os capoeiras). Estudos Afro-Asiáticos, (20), 239-256, 1991.

DACOSTA, L. (Org.). Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Confef, 2006.

DIAS, L. S. Quem tem medo da Capoeira? Rio de Janeiro, 1890-1904. Rio de Janeiro. Arquivo Geral da Cidade. Coleção Memória Carioca, v.1, 2001.

EDMUNDO, L. O Rio de Janeiro no tempo dos Vice-Reis – 1763-1808. Brasília: Senado Federal. Conselho Editorial, 2000.

FALCÃO, J. L. C. Aspectos do desenvolvimento da capoeira:

transnacionalidade, resistência cultural e mobilidade. Criar Educação. V.5, nº1, Criciúma, jan/jun, 2016.

FONSECA, V. L. Capoeira Sou Eu – memória, identidade, tradição e conflito. 255f. Rio de Janeiro: CPDOC-PPHPBC; Fundação Getúlio Vargas, 2009.

HOLLOWAY, T. O “saudável terror”: a repressão policial aos capoeira e resistência dos escravos no Rio de Janeiro no século XIX. Estudos Afro-Asiáticos. nº16, 1989.

IPHAN. Inventário para Registro e Salvaguarda da Capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília, DF, 2007.

LACÉ LOPES, A. Capoeiragem. In: DACOSTA, L.; MIRAGAYA, A. (Org.). Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Confef, 2006.

RÊGO. W. Capoeira angola: ensaio etnográfico. 2ª. ed. Rio de Janeiro: MC&G, 2015.

REIS, L. V. de S. O mundo de pernas para o ar: a capoeira no Brasil. São Paulo: Publisher Brasil, 1997.

SÁ-SILVA. J. R; ALMEIDA, C. D. de; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais. Ano I - Número I - Julho de 2009.

SOARES. C. E. L. A negregada instituição: os capoeira na corte imperial 1850-1890. Rio de Janeiro: Access, 1999.

SOARES, C.E. L. A capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro 1808-1850. 2a ed. Campinas: UNICAMP; 2001.

VEYNE, P. Como se escreve a história. Edições 70. Portugal, 2008.

VIEIRA, L. R. O jogo de capoeira: cultura popular no Brasil. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.

VIEIRA, S. L. S. Capoeira - The Brazilian Martial Art. In: DACOSTA, L. (Org.). Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: Confef, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2020 Rômulo Meira Reis, Matheus Ferreira Pratas, Silvio de Cassio Costa Telles

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia