JOGADORES DE FUTEBOL 7 PRATICANTES DE TREINAMENTO FUNCIONAL APRESENTAM MELHOR APTIDÃO FÍSICA QUE JOGADORES NÃO PRATICANTES

Adriano Dispirito Ferreira, Josemara Fernandes Guedes de Sousa, Maria Cecília Teles

Resumo


A prática do futebol 7 tem aumentado com o passar do tempo, e o esporte vem ganhando cada vez mais visibilidade e adeptos. Torna-se importante identificar as possíveis estratégias de treinamento para melhorar o desempenho nesta modalidade. Dentre as modalidades de treinamento que se destacam na literatura está o treinamento funcional (TF), podendo melhorar a aptidão física de pessoas atletas e não atletas. O presente estudo teve como objetivo analisar os resultados da aptidão física de jogadores amadores de futebol 7, praticantes (G1), e não praticantes (G2) de TF. Foram avaliados onze atletas amadores da modalidade, agrupados em dois grupos, praticantes de TF e não praticantes. A aptidão física foi avaliada através das medidas de VO2máx, agilidade e impulsão vertical, aplicando os testes na seguinte sequência: teste de Ellestad, teste Shutle run, teste de salto vertical. A comparação das variáveis entre os grupos foi realizada pelo teste t independente, foi calculado também o d de Cohen para verificar a significância clínica das diferenças. Observou-se diferença significativa entre as medidas de agilidade e impulsão vertical entre os grupos, sendo que o G1 apresentou melhores níveis que o G2. Concluiu-se que atletas amadores de futebol 7, praticantes de TF apresentam melhores níveis de aptidão física que atletas não praticantes da modalidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, N. C.; SOUZA, J. R.; SILVA NETTO, O. F. Efeito do treinamento de resistência muscular de membros inferiores em meio líquido para atletas de futebol. Lins: Unisalesiano, 2014. 68p. Trabalho de conclusão de curso (Graduação em Educação Física) – Unisalesiano, Lins, 2014.

ALVES, L.S.; BORBA, D.A.; FERREIRA JÚNIOR, J. B.; MARTINI, A.R.P.; COELHO, L.G.M. O Desempenho no teste de Shuttle Run com e sem bola melhora após a partida de futsal em jovens de 14 a 16 anos de idade. Revista Digital. v. 15, n. 145, 2010.

BATISTA, B.N.; TRAMONTIN, A. F.; BORSZCZ, F. K.; CARMINATTI, L. J. Demanda física de jogos oficiais de futebol 7. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. v. 13, n. 83, p. 376-382. 2017.

BEHM DG, DRINKWATER EJ, WILLARDSON JM, COWLEY PM. 2010. The use of instability to train the core musculature. Appl. Physiol. Nutr. Metab. v. 35, n. 1, p. 91-108 Link, ISI, Google Scholar. Abstract

BOYLE, M. O novo modelo de treinamento funcional de Michael Boyle. 2º ed. Editora Artmed, Porto Alegre, Brasil, 2018.

ELLESTAD, M. H. Prova de Esforço (2a. edição). Editora Cultura Médica, Rio de Janeiro, Brasil. 1984.

FELTRIN, Y.R; MACHADO, D.R.L. Habilidade técnica e aptidão física de jovens futebolistas. Rev Bras Futebol. Jan-Jun; v. 02, n. 1, p. 45-59, 2009.

FILGUEIRA, F.W.; SILVA, F.G.D.; SOARES, T.C.M.; GOMES, J.G.N. Nível de Aptidão Física em Praticantes das Modalidades Esportivas da Escola Municipal Maria de Lourdes Cavalcante. Red Foco. v. 3, n. 1, p. 27-44. 2016.

GATZ, G. Complete conditioning for soccer. Human Kinetics, 2009, p.197

JACKSON, A. S.; POLLOCK, M. L. Generalized equations for predicting body density of men. British Journal of Nutrition, v. 40, p. 497-504, 1978.

JOHNSON, B.L.; NELSON, J.K. Practical measurements for evaluation in physical education. Minneapolis, Burgess, 1979.

MONTEIRO, A.; CARNEIRO. T. O que é Treinamento Funcional? 2010. Disponível em: Acesso em 20/08/2019.

MORAES MVL, HERDY CV, SANTOS MP. Análise dos aspectos antropométricos em jovens atletas de alto rendimento praticantes da modalidade futebol. R. Bras. Ci. e Mov v. 17, n. 2, p. 100-107, 2009.

MOURA, D. P; SILVA, T. A. O.; GARCIA, V. B; SANTOS, J.W. Efeitos do programa de treinamento funcional nas capacidades físicas do futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo. v.10. n.37. p.124-129. Maio/Jun./Jul./Ago. 2018. ISSN 1984-4956.

NOVAES, J.; GIL, A.; RODRIGUES, G.; Condicionamento físico e treino funcional: Revisando alguns conceitos e posicionamentos. Revista Uniandrade. Rio de Janeiro. v. 15, n. 2, p. 87-93. 2014.

SOUSA, P.; GARGANTA, J.; GARGANTA, R. Estatuto posicional, força explosiva dos membros inferiores e velocidade imprimida à bola no remate em Futebol: um estudo com jovens praticantes do escalão sub-17. Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física Universidade do Porto, Porto, 2003. Disponível em: http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/rpcd/v6n3/v6n3a10.pdf. Acesso em: 1 de dez. 2019.

SOUZA, N. F. R.; GONÇALVES, I. L.; SOUZA, M. A.; LOPES, P.; C.. Análise da Capacidade de Força, por Meio do Teste de Impulsão Vertical, dos Alunos da Escola Estadual São Pio X. Revista Brasileira de Educação e Cultura – ISSN 2237-3098 Centro de Ensino Superior de São Gotardo. Número VIII Jul-dez 2013.

THIENGO CR, TALAMONI GA, SILVA RNB, SANTOS JW. Perfil antropométrico, aptidão motora e aeróbia de jogadores de futebol profissionais e juniores de Trinidad e Tobago. R. Bras. Ci. e Mov, v. 20, n. 2, p. 14-24, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2020 Adriano Dispirito Ferreira, Josemara Fernandes Guedes de Sousa, Maria Cecília Teles

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia